Terapia familiar no RJ para cuidar dos problemas familiares e desenvolver relações saudáveis e respeitosas com a abordagem cognitivo-comportamental.

Para que serve a terapia familiar? 

A terapia familiar é um tipo de terapia feita em grupo que busca estimular e desenvolver um diálogo entre os membros da família e consequentemente ajudar na resolução dos conflitos para a vivência de relacionamentos saudáveis, respeitosos e harmoniosos.

A terapia familiar se desenvolveu em resposta à constatação de que muitas pessoas que melhoravam na terapia individual longe de suas famílias – muitas vezes em ambiente de internação – sofriam recaídas quando retornavam para casa. Revelou-se que muitas dessas pessoas provinham de ambientes familiares perturbados que precisavam ser modificados para que a melhora do indivíduo pudesse se manter.

Na terapia familiar a premissa básica é que o problema apresentado pelo paciente identificado – muitas vezes uma criança ou um adolescente – é um sinal de que algo está errado em toda a família; o sistema familiar não está funcionando adequadamente. A dificuldade pode estar na comunicação entre os membros familiares ou em uma aliança entre alguns membros familiares que excluem outros. Por exemplo, a mãe cujo relacionamento com o marido é insatisfatório pode concentrar toda a sua atenção no filho. Como resultado, o marido e a filha se sentem negligenciados e o filho, perturbado pela excessiva atenção da mãe e pelo ressentimento dirigido a ele pelo pai e pela irmã, desenvolve problemas na escola. Embora as dificuldades escolares do menino possam ser o motivo para procurar tratamento, é evidente que elas são apenas um sintoma de um problema familiar mais básico.

Na terapia familiar a família se encontra regularmente com o terapeuta. O terapeuta observa as interações entre os membros familiares e tenta ajudar cada um a se conscientizar do modo como se relaciona com os outros e como suas ações podem estar contribuindo para os problemas da família. Os problemas de comportamento podem estar sendo reforçados pelas reações dos membros da família. Por exemplo, os problemas de alimentação de um adolescente podem ser inadvertidamente reforçados pela atenção que provocam nos pais. O terapeuta pode ensinar os pais a monitorar seu próprio comportamento e o comportamento dos filhos, a determinar como suas reações podem estar reforçando o comportamento problemático e, depois, a alterar as contingências de reforçamento.

Alguns problemas que podem levar a busca por ajuda na terapia de família são:

  • Disfunção no grupo familiar: Sinais de distanciamento, ou de excessiva interferência na vida uns dos outros, formando alianças entre alguns membros, deixando outros periféricos.
  • Problemas na comunicação: a família perde-se em críticas, acusações, silêncios, falta de empatia e inabilidade em resolver problemas.
  • Problemas na estrutura: os papéis familiares mal definidos, com filhos desempenhando papéis parentais e pais formando alianças com filhos, excluindo o outro membro do casal.
  • Problemas na dinâmica: dificuldade em assumir a função de pais, com suas responsabilidades e limites, bem como dificuldade em estabelecer objetivos familiares e organizar-se para atingi-los.

A terapia familiar objetiva o aperfeiçoamento das relações entre seus integrantes e os padrões comportamentais da unidade familiar como um todo, assim como entre membros individuais e agrupamentos dentro da família. Essa mudança busca favorecer o grupo familiar como um todo e cada membro em particular. As mudanças que ocorrem no comportamento dos membros familiares tendem a promover a remissão dos sintomas. Várias técnicas da abordagem cognitivo-comportamental podem estar sendo usadas para promover relações mais saudáveis e funcionais, tais como: treinamento em habilidades para a melhoria da comunicação, treinamento em habilidades para solução de problemas, treinamento de pais, técnicas comportamentais usadas para casal.