Respiração Prânica Profunda

As emoções afetam o chacra do plexo solar, que por sua vez afetam o diafragma, interferindo assim no ritmo respiratório. Quando uma pessoa fica com raiva, o movimento do chacra do plexo solar se torna desordenado, manifestando-se como ritmo respiratório irregular. Controlando o ritmo respiratório ou fazendo uma respiração abdominal lenta e profunda, o movimento desse chacra volta a ser regular e harmônico, produzindo assim calma, paz e serenidade.

Efetuando pelo menos doze ciclos de inalações e exalações lentas e profundas, o chacra do plexo solar pode ser parcialmente normalizado, acalmando um pouco a pessoa num estado raivoso. A respiração abdominal lenta e profunda pode continuar até que a pessoa se tranquilize completamente.

Pacientes psicologicamente desequilibrados podem ser beneficiados se praticarem a respiração abdominal lenta e profunda para conseguir maior controle sobre as emoções e a mente. O paciente pode praticar a respiração abdominal lenta e profunda três vezes por dia para alcançar um controle emocional maior. Quando isso é feito diariamente durante alguns meses, ele apresentará melhoras extraordinárias. A prática de exercícios de respiração para acalmar e regular as emoções e a mente é comum entre iogues e aspirantes à espiritualidade. Esses exercícios possibilitam ao praticante focalização da mente, serenidade e em alguns casos expansão da consciência.

Basicamente, há dois tipos de respiração: a natural e a anti-natural. Se você observar um bebê respirando, você perceberá que ele expande o abdômen na inalação e o contrai na exalação. Essa é a respiração natural ou abdominal. Na escola, as crianças aprendem a respiração não natural, que é a respiração torácica. Durante a inalação, o peito se expande e o abdômen se contrai; durante a exalação, o abdômen se expande. A respiração torácica é antinatural e incorreta pelas seguintes razões:

  1. A respiração torácica profunda, quando feita durante cerca de 10 minutos, provoca o acúmulo de muita energia prânica na região do chacra frontal do coração, causando congestão prânica nesse órgão. O praticante sente tontura e desconforto na região do peito. Um paciente com problemas cardíacos sente dor no peito e agravamento de sua condição. Quando a respiração abdominal é feita adequadamente, esses efeitos colaterais inexistem. Alguns praticantes chegam a praticar até mais de uma hora por sessão e não sentem nenhum efeito adverso; pelo contrário, sentem-se mais fortes, mais energizados e mais saudáveis depois dessa prática.
  2. Na respiração torácica, uma quantidade menor de ar flui para os pulmões quando o abdômen se contrai durante a inalação, e isso porque o diafragma é empurrado para cima, reduzindo assim o espaço nos pulmões. Na respiração abdominal, ao contrário, mais ar vai para os pulmões quando o abdômen se expande durante a inalação, uma vez que o diafragma é empurrado para baixo, aumentando assim o espaço nos pulmões.
  3. Como explicado anteriormente, bebês e crianças fazem a respiração abdominal instintivamente, sem precisar aprender, mas o padrão respiratório muda quando, na escola, são ensinados a respirar do modo errado.

Técnica:

  1. Não se esforce para fazer este exercício de respiração. Relaxe, pois do contrário não conseguirá realizá-lo de modo apropriado por períodos longos.
  2. Inale lentamente e expanda o abdômen aos poucos. A inalação é feita lenta, profunda e confortavelmente. Não inale nem expanda o abdômen em excesso, pois a respiração se tornará irregular, anulando assim o objetivo desta técnica respiratória, que é produzir relaxamento e serenidade.
  3. Retenha a respiração um segundo ou dois antes de exalar. Não force, apenas relaxe.
  4. Exale lentamente e contraia o abdômen gradualmente. A exalação é feita lenta, profunda e confortavelmente. Não exale nem contraia o abdômen excessivamente, pois do contrário a respiração se tornará irregular.
  5. Retenha a respiração um segundo ou dois antes de inspirar. Não force, apenas relaxe.
  6. Repita todo esse processo por doze ciclos. Ao fazer a respiração prânica, não respire tão lentamente a ponto de precisar esforçar-se. Quando a respiração se torna lenta, o fluxo caótico dos pensamentos aos poucos cessará. Você sentirá paz, calma e serenidade raramente sentidas pelas pessoas comuns. Essa redução do ritmo respiratório deve se manifestar gradualmente sem muito esforço depois de um longo período de prática.
  7. Faça exercícios físicos durante cinco minutos para liberar o excesso de energia prânica e evitar a congestão prânica.
  8. Faça a respiração prânica todos os dias. Normalmente, são necessárias três ou quatro sessões para que algumas pessoas aprendam a respirar desse modo adequadamente. Não desanime se você se deparar com pequenas dificuldades iniciais. Se não temos paciência e perseverança para realizar pequenas coisas, como realizaremos as grandes, que exigem perseverança e esforços maiores? Pratique a respiração prânica sempre que se sentir tenso ou com raiva. Ela o acalmará e lhe dará condições de regular e controlar suas emoções e sua mente.

Se sentir dor no peito, desconforto ou tontura, interrompa o exercício de respiração, pois você não o está fazendo de forma apropriada. Leia as instruções cuidadosa e completamente. Se a respiração se tornar irregular, pare e relaxe um pouco antes de retomar a prática.

Quem respira adequadamente vive melhor!


Fonte: Mestre Choa Kok Sui – “Psicoterapia Prânica”